É possível um “corralito” em Espanha?

es posible un corralito en españa Bitnovo
8 min read

A situação de crise que o mundo está a atravessar tem um impacto notório na economia espanhola e as suspeitas sobre um possível “corralito” em Espanha estão a crescer a passos de gigante.

É realmente possível que isto possa acontecer? Neste artigo iremos rever quais são as questões que provocam mais medo e quais são as que devem trazer paz de espírito ao povo espanhol.

Alerta: este artigo não é para os cardíacos nem para os que sofrem de idolatria política (tanto de direita como de esquerda). O objetivo é oferecer uma abordagem ao assunto que auxiliará as pessoas a prever possíveis resultados futuros.

Tal como fazemos na promoção das criptomoedas de Bitnovo, nosso objetivo é ajudar as pessoas a encontrar alternativas aos sistemas financeiros e políticos tradicionais que nos têm feito tanto mal ao longo dos anos.

Então… vamos a isso.

O que é um corralito?

Um corralito é uma restrição temporária imposta pelo governo em que este proíbe aos seus cidadãos o acesso aos fundos depositados nos bancos.

O objetivo desta imposição é evitar que um grande número de pessoas retire as suas poupanças simultaneamente, provocando o colapso do sistema bancário.

História do corralito

O termo “corralito” surgiu na Argentina no ano de 2001, sob o mandato de Fernando de la Rúa. Na altura, o país atravessava uma crise económica e política violenta e as pessoas saíram à rua sob o lema “Saiam todos“.

A crise foi tal que nesse mesmo ano a Argentina teve 5 presidentes diferentes numa só semana. Sim, numa semana.

Uma das medidas impostas pelo Presidente De La Rúa foi restringir a livre disponibilização de dinheiro proveniente de depósitos a prazo fixo, contas correntes e contas aforro.

O primeiro “corralito” da história durou de 3 de dezembro de 2001 a 2 de dezembro de 2002. Um ano de proibição de acesso aos fundos. Uma verdadeira loucura.

A palavra “corralito” refere-se a um curral como o utilizado para impedir a fuga dos animais. Embora aqui os únicos animais fossem os políticos e os bancos, e o curral não permitia que a população utilizasse o seu próprio dinheiro.

A partir daí, este termo tem sido utilizado em todos os países de língua espanhola para se referir a esta imobilização de depósitos levada a cabo pelos governos de vários países.

es posible un corralito en españa Bitnovo

Um manifestante argentino atira pedras durante os protestos contra o “corralito” de 2001. Será que isso pode acontecer em Espanha?

Corralitos recentes na história europeia

2013 – Corralito no Chipre

O governo cipriota limitou a possibilidade de os seus cidadãos levantarem dinheiro dos bancos.

O Chipre foi mergulhado numa crise económica desde 2012 e a Zona Euro preparou um resgate de 10 mil milhões de euros para evitar a bancarrota. Mas isto ia ter as suas consequências e, como sempre, teria de ser pago pelo povo através de diferentes medidas, tais como:

– Os bancos não devolveriam parte do dinheiro aos seus acionistas.
– Os depósitos superiores a 100 000 euros pagariam um imposto extraordinário.
– Foi imposto um controlo de capital que não permitia que o dinheiro deixasse o país ou fosse retirado das caixas multibanco.

2015 – Corralito na Grécia

A 29 de junho, o governo de Atenas anunciou o bloqueio de todos os depósitos nos bancos e o encerramento dos balcões dos bancos.

O principal objetivo era evitar o pânico bancário ou o levantamento maciço de depósitos antes do referendo sobre a proposta dos credores internacionais convocado pelo seu Presidente Tsipras.

O fluxo de dinheiro para o estrangeiro também foi restringido, a retirada de dinheiro foi limitada a apenas 120 euros por dia e a Bolsa de Atenas até foi fechada.

Foram necessários quatro anos para que os gregos pudessem voltar a fazer o que queriam com o seu dinheiro. Foram 50 longos meses de um corralito e de autoritarismo governamental.

Possibilidades de um corralito em Espanha

É um facto que regiões como a América Latina ou a Europa de Leste provaram ter economias mais instáveis do que a Espanha, mas desde 2008 ficou mais uma vez claro que os sistemas financeiros falham para todos.

Não é por acaso que precisamente em 2008 (com a crise causada pelo colapso da bolha imobiliária) Satoshi Nakamoto publicou o artigo do Bitcoin anunciando a criação da primeira criptomoeda da história.

O sistema financeiro demonstrou o seu fracasso em diversas ocasiões, condenando sempre os mais vulneráveis a pagar pelas falhas dos mais poderosos.

É do conhecimento geral que os bancos estão atualmente a atravessar uma grave crise em todo o mundo face à emergência da COVID-19 e a Espanha é uma das nações mais afetadas.

Neste contexto, recentemente um tweet de Daniel Estulin, duas vezes vencedor do Prémio Internacional de Jornalismo, destacou uma perspetiva sombria para as finanças de Espanha nos próximos meses.

“Governo espanhol disposto a congelar contas bancárias. Óbvio. Já o vimos no Chipre. Repito: tirem o vosso dinheiro dos bancos agora!”!!

Ainda segundo esta fonte, o governo de Pedro Sanchez estaria disposto a congelar as contas bancárias do povo espanhol devido ao não pagamento de impostos e a problemas de financiamento com a União Europeia.

E a constituição espanhola poderia ser utilizada para justificar tal atrocidade, uma vez que, como Pablo Iglesias uma vez citou na sua conta do Twitter, o Artigo 132 da Constituição lê-se:

“Toda a riqueza nacional está subordinada ao interesse geral”.

E como foi demonstrado em diversas ocasiões, são os políticos que decidem o que é esse “interesse geral”.

Semelhanças entre o corralito argentino e a situação em Espanha

Façamos uma análise comparativa entre a situação de 2001 na Argentina e a de 2020 em Espanha. Naquele trágico dezembro argentino aconteceram quatro coisas:

– Corralito: proibição de levantar dinheiro dos bancos.
– Inflação: impostos ocultos.
– Desvalorização: as pessoas que tinham depósitos em dólares podiam levantar os seus fundos a um terço do seu valor.
– Inadimplência: O Estado decidiu não pagar a dívida pública argentina.

Não parece que uma situação semelhante possa surgir em Espanha, pelo menos a curto prazo, mas é certo que já vivemos ataques fiscais notórios contra os cidadãos: o aumento dos impostos e da inflação (que é também um imposto).

Como evitar um corralito

Quer saber como evitar o corralito? Infelizmente não está nas nossas mãos evitá-lo, embora possamos evitar que aquele corralito roube o seu dinheiro.

Eu, em particular (e tendo vivido na Argentina), manteria o meu dinheiro o mais longe possível dos bancos e o mais perto possível das criptomoedas.

Compre bitcoins ou outras criptos que lhe permitam ser dono o seu dinheiro sem o deixar nas mãos de banqueiros e políticos, que demonstraram as suas más intenções e incapacidade em centenas de ocasiões.

Que lhe possa interessar…